terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Ecos de Renato e conversas de Eduardo com palpites de um alcoviteiro.

O Brasil vive hoje um processo de democracia em construção, com cinco eleições nacionais realizadas pelo voto e a caminho de mais uma. Uma democracia que se inicia com a Constituição de 1988, que entre muitas conquistas, garante o direito da liberdade de imprensa.
Agora qual é o papel da imprensa, dos jornalistas nesse período em que vivemos. Informar, divulgar, trazer ao conhecimento da sociedade informações, mas de forma imparcial, fazendo com que o cidadão faça a sua própria análise. Infelizmente não é assim que alguns meios de comunicação vêm se portando e, em Campos não é diferente.
Um jornal local utiliza suas páginas, para fazer rodar a metralhadora das intrigas e da discórdia. Qual seria o papel desse jornal ao noticiar o Processo de Eleições Internas do PT? Noticiar o processo, entrevistar os candidatos, informar a população o resultado da eleição seria o mais sensato. Para esse jornal não! Eles se utilizam da velha lógica de venda da imprensa: notícia ruim repercute mais. Só que existe também outra lógica: Quem bate perde. E esse jornal só vem perdendo espaço na sociedade. Aí tiveram uma idéia, ou melhor, copiaram de muitos pelo planeta: Vamos fazer blogs. São mais rápidos, as pessoas gostam e são de graça. Mais a lógica continua: notícia ruim repercute mais.
A metralhadora do mal vai além do processo eleitoral. Faz intrigas com o intuito de denegrir a imagem de vários militantes históricos, acusando – os de métodos de covardia virtual. Opiniões e ações de um blogueiro não remetem a posição de outros militantes da mesma corrente política do Partido.
A comunidade interna do PT de Campos sabe melhor do que qualquer outra pessoa, a necessidade do diálogo interno para garantir a consolidação de uma alternativa para o cenário político que nossa cidade apresenta hoje. Não precisamos de alcoviteiros. Faça seu papel, informe, divulgue, noticie. O presidente eleito do Diretório Municipal, professor Eduardo Peixoto, sabe dialogar, é aceito pelas outras correntes, tem bagagem, e com certeza fará um belo trabalho nos próximos dois anos. Meu caro, pergunte se em algum momento ele foi vítima de alguma covardia de outras correntes? Garanto que não. Sabe por quê? Não é a nossa praia. No PT o diálogo vem em primeiro lugar, porque é ele que garante a democracia. De que adianta o voto se eu não posso dialogar?
Resumo da história: Um jornalista que nem filiado é, e adora dar palpites na condução do PT. Se quiser debater o PT se filia meu caro.
Ah! Não quer porque é mais fácil ser alcoviteiro.


Marcel Cardoso cursa Licenciatura em Geografia no Instituto Federal Fluminense, onde exerce a função de presidente do Diretório Central dos Estudantes.

7 comentários:

FÁBIO SIQUEIRA disse...

Caro Marcel,

Há ainda o problema de possível dupla filiação.
Creio que o rapaz é tucano de carteirinha...

FÁBIO SIQUEIRA disse...

Corrigindo:

Não é de carteirinha.
Mas é tucano de boa plumagem!

Xacal disse...

tucano ou tucanalha...???

Kid Skizofrenick disse...

Marcel,
O pior de tudo é ter que perder tempo com este tipo de gente.

Parafraseando Romário:
"Tem editor que de boca fechada é um poeta."

Eu completo:
"...mas como poeta de "carreira" é um excelente alcoviteiro."

ruivo disse...

rapaz, como eu to passando uma breve temporada fora de campos, to boiando nesse assunto. seria possivel vcs citarem nomes por favor?

FÁBIO SIQUEIRA disse...

Caro Ruivo,

Assim que for possível conversamos reservadamente...
Não é realmente nosso estilo, mas nesse caso é o mais conveniente...
Gd abs.

Raskolnikov disse...

O Kid Skizofrenick podia esclarecer a enigmática história da "vela roxa" e de seu obscuro destino. Rs rs rs