quinta-feira, 26 de março de 2009

Secretária de Educação sinaliza positivamente sobre demandas da rede municipal e vai submeter pauta do SEPE à Prefeita

A direção do SEPE Campos foi recebida nesta manhã pela Secretária Municipal de Educação, Professora Maria Auxiliadora Freitas. Participaram do encontro representando o sindicato este blogueiro e os professores Renato Gonçalves, Amaro Sérgio Azevedo e Graciete Santana.
A Secretária acolheu a pauta prometendo discutir as questões apresentadas com a Prefeita e sinalizando com a possibilidade de avançar nas reivindicações:

Com relação a eleições para diretoras de escolas, disse se tratar de compromisso de campanha de Rosinha e voltou a afirmar que o governo não afasta a hipótese da gestão democrática das unidades da rede municipal. Propusemos a constituição de um grupo de trabalho, com a participação do SEPE - para formular as regras que regulamentem o processo - e a realização das eleições no fim do ano, de forma a permitir melhor organização do ano letivo de 2010;

Sobre concursos públicos a Secretária informou que para o magistério há carência de apenas 12 vagas reais para creches. Que não há carência real de professor I e que as carências de professor II devem ser supridas por remanejamentos de professores excedentes no quadro de algumas unidades. Outras carências existentes, temporárias, serão provisoriamente administradas com RETs. Com relação à realização de concurso para funcionários, após o fim da vigência do TAC, reiterou a impossibilidade orçamentária atual da Prefeitura nesse sentido, mas se comprometeu a discutir com a Prefeita a hipótese, a partir de avanços na arrecadação fiscal;

Sobre a equiparação salarial das pedagogas com os demais especialistas de nível superior presentes no quadro da SMEC, solicitou ao SEPE maiores informções sobre o processo, a fim de agilizar a concretização da medida;

Sobre o PCCS, reconheceu a justiça de se rediscutir o tempo de serviço como fator de progressão horizontal, bem como outros aspectos da Lei que implantou o Plano. Se comprometeu a travar a discussão com a Prefeita, com o Secretário de Administração e o Procurador Geral do município. Sugerimos também um grupo de trabalho para tratar do assunto, envolvendo a SMEC, a Secretaria de Administração, a Procuradoria e o SEPE;

Com relação à precária estrutura física das escolas da rede, apresentou ao SEPE relação de 11 escolas que já estão sofrendo reformas e outra de 18 unidades onde as obras emergenciais já estão licitadas e devem ser iniciadas nos próximos dias. Comprometeu-se a enviar posteriormente ao sindicato relação de outras escolas a serem reformadas e de novas unidades previstas para serem construídas nos próximos 18 meses, 10 escolas e 10 creches;

Determinou à coordenadora do EJA na rede, Professora Rutilane, o agendamento de reunião com o SEPE para discutir problemas e aspectos específicos desta modalidade de ensino levantados pela categoria na última assembleia.

O canal de negociações permaneceu aberto e uma nova audiência foi solicitada, possivelmente para a primeira semana de maio, ficando a Secretária de confirmar a reunião com o SEPE.

FOTO: Gersom Gomes (do sítio da Prefeitura)

9 comentários:

Raskolnikov disse...

Fabito, vóis micê acha que essa interlocução é "a vera"? Ao alegar restrições orçamentárias (a retórica mais caô que existe!) a secretátia demonstrou com dados/documentos ou ficou só na conversinha? Além de marcar novas audiências, quais são as iniciativas que o SEPE vai tomar? Uma performance de "boa vontade" é mais do que obrigação da secretária, quero ver a prefeita cumprir (e ser cobrada) as promessas de campanha! Boa sorte

Anônimo disse...

Fabio, você Amaro Graciete cobrem mesmo, pois so temos no Sepe as esperança de que algo possa ser revertido nesta confusão que tornou as nomeações de diretores, uma verdadeira torre de babel. Sabemos de relatos de colegas sobre a nomeação de diretores que infelizmente não tem um minimo de cacoete em gestão publica . Fabio se alguma coisa não for feita agora, voce como professor sabe, perderemos mais um ano letivo , quer dizer nos e nossos alunos.Checa esta Fabio, o Maria Lucia no Turf teve uma professora nomeada mais seus adjuntos ,sabia-se que era professora universitaria no resto um misterio,levou duas semana ,não se sabe se pediu ou foi exonerada.Agora veio a pior parte nomearam um professor, ate ai tudo bem, so que o cara é professor de educação fisica , é, ainda da pra engulir o que não da pra engulir e que o cara não tem muito expêriencia no serviço publico entrou a pouco tempo em uma escola em Tocos. Como administrar uma escola pequena no espaço fisico, mas grande em sua quantidade de projetos como jardim ,alfabetização mais o EJA que tem uma quantidade enorme de alunos que carecem de um bom gestor para fazer da mesma mais eficiente, o que esperar de um novato que por motivos politicos é jogado na direção de uma escola sem nenhuma experiência ? Alguem vai dizer, esquenta não esta é apenas mais uma escola quue ganhou um diretor sem experiencia e que em nada acrescentara na melhoria desta torre de babel.

FÁBIO SIQUEIRA disse...

Caro Raskol,

Não dá pra ignorar que a gestão passada foi absolutamente irresponsável do ponto de vista da arrecadação. A enorme "preguiça fiscal", motivada pela fartura de royalties - a arrecadação desta receita à época era ainda maior que a atual - causa problemas para a gestão da folha, que não pode ser coberta pela fonte responsável por mais de 70% do orçamento total.
Contudo, como já disse na semana passada em um programa de rádio local, é preciso que o atual governo apresente metas e prazos para a recuperação da arrecadação, a fim de resolver definitivamente a questão de pessoal.
O SEPE vai submeter sempre a negociação à base, em assembleias. acordamos um prazo de 30 dias para um retorno concreto à pauta apresentada hoje. Se a negociação não fluir bem, vamos ouvir a categoria sobre como melhor se encaminha a luta.
Abs.

Xacal disse...

Fábio, Fábio, Fábio, permita-me algumas provocações, e creia-me que elas se dirigem a toda a direção colegiada, e não apenas a sua figura, embora reconheçamos, ela ser a que possua mais visibilidade...

1-Como acreditar nessa lenga-lenga de restrição orçamentária sem a apresentação de qualquer número ou previsão confiável...?
2-a secretária apresentou esses números ou só repetiu o discurso "decorado"...?
3-Meu amigo, eu não sou sindicalista e, muito menos professor, mas 30 dias é o suficiente para esvaziar qualquer clima de insatisfação e mobilização...e olha que a assembléia já demonstrou que já não está fácil...!

Enfim, essa é minha opinião pessoal...acho que vocês foram levados no papo pela pateta da educação...

FÁBIO SIQUEIRA disse...

Dear Xacal,

Infelizmente, a peça orçamentária do "Macabro", hoje L. O., por si só já compromete, a curto prazo, a folha de pessoal. Graças a ele, a arrecadação própria projetada - que pode ser pior com a crise - não chega a R$ 300 milhões.
Insistimos que é preciso que o governo apresente o "planejamento estratégico" para aumentar a arrecadação com prazos e metas, mas isso não se equaciona nos próximos 30 dias.

As questões da pauta - à exceção da paridade para pedagogas - não se resolvem com atos de canetadas. É importante esperar para ver se os grupos de trabalho vão de fato se constituir. Isso é um sinal importante. Alguns deles envolvem outras secretarias, isso justifica o prazo de 30 dias para a constituição dos mesmos.

Mas não tenha dúvida que se a negociação não fluir, faremos as denúncias necessárias e os enfrentamentos cabíveis.
Abs.

Professora Hilda Helena disse...

Querido Fábio:

Ainda bem que a sinalização não foi a das piores...
Bom trabalho!Pelo menos fomos representados e todas as pautas estabelecidas na Assembleia foram apresentadas!
Aguardaremos a promessa da Secretária em discutir as questões em pauta...
Estaremos na Assembleia no dia 06 para amadurecermos nossas reivindicações!!!
Enquanto as negociações não fluem faremos nossa parte...
A nova assembleia está próxima e os profissionais de educação precisam entender este momento e agirem para que outras denúncias sejam feitas e metas para o enfrentamento sejam estabelecidas!
Um abração!!!!

Anônimo disse...

Como não há carência de professores? O jornal a Folha da manhã denunciou nessa semana a carencia de professores na rede municipal. Varias ecolas estão sem professores. Para cobrir a carência, auxiliadora esta colocando professor de crehe pra fazer RET de P1.

Vocês vao acreditar nesse lenga lenga dela? Cade as provas de que nao ha carencia? Nos precisamos de dados!

Parece que essa comissão do SEPE é bem amadora ou esta conivente com o que vem ocorrendo dentro da rede municipal!

FÁBIO SIQUEIRA disse...

Se vc tivesse boa fé, ou tivesse realmente lido a matéria a que se refere, saberia que a Secretária declarou ao jornal que a carência é temporária e tem a ver com os mesmos remanejamentos mencionados à direção do SEPE.
Se é verdade ou não, vc tem o direito da dúvida, e a mim não cabe asseverar nada em defesa do governo. Mas nos foi apresentado um relatório oficial. Dados oficiais. Os RETs seriam temporários, logo não representam carência real.
Para refutar esses dados precisamos de denúncias concretas, identificando unidades e favorecidos. Estas serão apuradas e encaminhadas ao Ministério Público. Não posso ser leviano.

Se vc além de "profissional" e covarde for bem informado, pode encaminhar denúncias para este blog, mesmo escudado peloo cômodo anonimato.

Anônimo disse...

fabio ontem ela estava NO CONSTANTINO FERNANDES....ELA E DO ESTADO (AUXILIADORA) OU DA SMEC????

TAVA NA POSSE DA NOVA DIREÇAO!

NÃO DA CONTA DA SMEC E QUER FICAR EM FESTINHA POR AÍ...ESSA AUXILIADORA É MESMO UMA PIADA!