terça-feira, 19 de maio de 2009

FUTEBOL ARTE

Influenciado pelo exemplo de Xacal, vamos falar do prestigiado Festival de Cinema de Cannes. Em meio a um conjunto de obras de escatologia tétrica e desencanto niilista (como a última obra do Lars Von Trier: Anti-Christ), surge um filme recupera o posicionamento político e o vigor humanista. O filme em questão é Looking for Eric do surpreendente diretor inglês Ken Loach, recebido com uma chuva de aplausos em Cannes (sem previsão de estréia no Brasil). O filme trata de um assunto de autêntico interesse para nós brasileiros. Ele trata de futebol, e falar de futebol é falar da vida (seus conflitos e vicissitudes). Pois bem, o Eric do título é o Eric Cantona, atacante francês e um dos maiores ídolos de todos os tempos do super time Manchester United. Contudo, o protagonista do filme não é o polêmico ídolo, mas um trabalhador comum que vive uma existência infeliz e é assombrado pelo "espírito" de Cantona. A presentificação do fantasma de Cantona faz Steve reviver suas grandes jogadas e os gols memoráveis. E qualquer torcedor sabe do potencial épico e transcendental de tais remiscências! Bem, o final do filme e seu "significado" fica a cargo de cada um. Pois, (o clichê e irresistível): "A beleza está nos olhos de quem vê!"

3 comentários:

Cinéfola ansiosa disse...

Caro professor,
Como poderei assistir esta indicação valorosa?

Anônimo disse...

Mudanças, mudanças. Mudanças?
Sou funcionário da prefeitura na forma de SUBSTITUIÇÃO, tivemos uma redução no salário de 13%, não temos férias nem décimo terceiro. E a última MUDANÇA é que não nos pagaram o mês de fevereiro e nada é falado sobre isso.Nosso pagamento só sai com 15 dias ou mais de atraso. Quanto ao atraso de fevereiro fui aconselhado a não questionar sobre o assunto, e que deveria agradecer pelo fato de ainda estar trabalhando. Com a palavra a prefeita, o Fábio Ribeiro, Suledil, ...
Fábio Siqueira, gostaria de contar com seu apoio e divulgação desse fato no seu blog e na blogosfera.Essa talvez seja a única possibilidade de me expressar já que minha forma de trabalho não oferece segurança.

Xacal disse...

Pois é, meu caro e erudito Professor...

Não vi o filme,mas gostei...rsrsrs...

O recurso do roteiro em inserir o trabalhador infeliz pode ser interessante para abordar os dilemas do próprio personagem título...não seio nome "técnico" desse estratagema,mas se bem utilizado, nos brindo com ótimas histórias...

mas isso é "outra história"...rsrsr