sábado, 15 de novembro de 2008

Humanos direitos

Muito forte a última cena do episódio do seriado Ó Pai ó exibido agora há pouco, no fim da noite, pela Vênus platinada.
A cena crua da agressão a um típico excluído, sem voz e sem identidade, na ladeira do Pelô, revela a dureza que marca a vida de milhões de brasileiros anônimos apesar dos recentes avanços sociais. A impotência do personagem frente ao agressor e sua angústia ao receber literalmente mais um - ou vários - soco da vida justo quando parecia estar tão próximo da "inclusão" pela solidariedade, me deram um nó na garganta.
A sina do personagem e o empenho do personagem de Lázaro em resgatar um cidadão de tal destino representam muito mais para compreensão do significado da expressão Direitos Humanos que qualquer palavrório deste professor que muito se esforça para trabalhar esta idéia com toda uma geração de alunos.
Cenas duras mas oportunas para reflexão em tempos de milícias e de violência crescente na Planície.

Um comentário:

pvitor disse...

Ontem, eu presenciei no centro da cidade uma sena muito bonita, um voluntário, que por sua própria generosidade, sem apoio de ONGs ou direitos de não sei o que, cortando o cabelo do excluídos que dormem naquela área, fui conversar com ele; pedi para tirar uma foto, e ele me disse: prefiro permanecer no anonimato, esse sim um verdadeiro anônimo.