domingo, 26 de outubro de 2008

Conversa com o leitor

Após três semanas, chegamos ao segundo turno das eleições de Campos. Sendo esse um blog que tem na política uma de suas pautas permanentes, não haveria como - e nem seria de nossa vontade – fugir do assunto nesse período.
Ao contrário do 1º turno, quando manifestamos posição pública de apoio a candidatura da Professora Odete, nesse período o blog se limitou a comentários que refletiram o nosso olhar sobre o processo, dentro da prática habitual, da proposta e da natureza desse espaço.
Ainda assim, como é compreensível num cenário político polarizado como o da cidade nesse 2º turno, nossos comentários atraíram paixões. Críticas contundentes de alguns que interpretaram nossas opiniões como apoio à candidata Rosinha e simpatia empolgada de eleitores desta que fizeram leitura semelhante.
Fui bastante cobrado em função de críticas que fiz - e mantenho – às gestões dos Garotinho no Estado no que se refere à educação pública. Fui acusado de “falta de caráter”, de ter perdido a “noção do ridículo” e de ter “memória curta” com relação às agressões sofridas pela categoria da qual faço parte em manifestações no Palácio das Laranjeiras.
Ainda que não tenha feito aqui qualquer declaração de voto ou apoio político, afirmo que não acho honesto opinar sobre algo que acho muito importante - a disputa política pelo poder local e os destinos da nossa cidade - a partir de interesses privados ou mesmo de corporações, por mais legítimos que estes sejam. Ademais, nossa "categoria" também foi ultrajada na gestão de Arnaldo quando Prefeito. O destino do município deve exigir dos cidadãos um voto que considere os interesses universais, do conjunto plural da sociedade, que tem problemas graves. E não seja objeto de revanchismo de um segmento específico, por mais legítimo que isto pareça.
Fui acusado de “demonizar” Arnaldo em favor de seus adversários. Bobagem que colho para dizer que se me pautasse apenas pelo corporativo, deveria também desde sempre descartar o voto no pedetista, pois as gestões recentes na SMEC foram tão nefastas para a educação pública quanto as da SEE.
Mas quanto a acusação de atacar o Deputado Arnaldo Vianna, não procede. Pessoalmente, tenho simpatia por ele há muitos anos, desde quando assessorei o ex-Vereador Antonio Carlos Rangel e convivi com o então Vereador Arnaldo na Câmara, depois disso, colaborei com sua gestão na Prefeitura quando da composição política entre PT e PDT articulada por Garotinho em torno de sua candidatura ao governo do Estado em 1998. Nunca fomos próximos, mas sempre tivemos convivência respeitosa e cordial. Minha crítica contundente e minha opção por não votar hoje com este candidato diz respeito a composições desta candidatura com personagens com presença marcante em sua campanha e na atual administração pública municipal. Não se trata, como insinuou o leitor “Julio César”, de afirmar que todos que votam e apóiam Arnaldo o fazem por interesses não republicanos. Não seria tão leviano. Sei que há muitas pessoas do bem que votarão neste candidato por uma gama diversa de razões. Mas, sem dúvida, certos comportamentos e práticas verificadas na campanha do PDT (jornais apócrifos, funks "proibidões" e outros atos de DESESPERO) revelam que há ali pessoas sem escrúpulos e limites para defender a expectativa de manutenção de privilégios e posições abaixo da crítica.
Vale ainda ressaltar que esta crítica aos membros da atual administração mantém coerência com minhas posições nos debates internos do PT há quase dois anos. Fui contra a participação no governo Mocaiber, à filiação de quadros deste governo ao partido com objetivos eleitorais e à aliança eleitoral com o PDT/PSB.
Estas críticas aqui comentadas foram aprovadas pela moderação dos comentários e estão disponíveis em vários posts. Para mim, são opiniões legítimas ainda que, obviamente, discorde delas. Valeu para perceber que o blog tem realmente crescido em “audiência” e provoca debates e polêmicas, enfim, que é um espaço vivo e democrático. Não abro mão de minhas convicções, mas estou sempre aberto ao diálogo e ao convencimento. Não sou sectário, nem pauto minhas opiniões políticas pelo ódio.
Procuro ser coerente e manter um pé no pragmatismo e outro na “utopia”, sem concessões éticas. Agradeço a todos pela interação e pelas críticas. E como diria um grande amigo e blogueiro, parceiro e interlocutor na política e na vida, sigamos em frente!

6 comentários:

Anônimo disse...

Agora que se limpar com papel higienico sujo né Fábio

Flávio Mussa Tavares disse...

Quem já estava bem, cresceu ainda mais no meu conceito!
Valeu mesmo, excelente postagem!

Anônimo disse...

Isso mesmo Fabio,hoje as pessoas que querem o melhor para Campos vota na Rosinha e Dr Chicao

Flávia disse...

Fábio, parece que leu minha mente...rs.É exatamente assim que me sinto hj. Apesar de muitas ~brigas com minha mãe, onde o único argumento para votar contra Rosinha, é o caso dos professores, sendo ela uma...e que Arnaldo é muito bonzinho, e bom médico, etc. Falei com ela que devemos pensar no coletivo, numa alternância de poder, e nos 4 anos seguintes, nos unirmos como sociedade civil, e com a ajuda dos excelentes Blogs, como o seu, cobrarmos e fiscalisarmos a possível gestão de Rosinha.Meu voto é de esperança e de revolta e indignação com a atual gestão. Reforcei ainda mais quando hj ví a foto de Arnalde e Mocaiber juntos, durante a votação. E como diriam os Arnaldianos sobre Garotinho, hj finalmente Mocaiber apareceu!!!Arnaldo é continuidade disso que vivemos há anos...Chega!Basta. Hj lí na folha que os contratados podem voltar...mais uma jogada suja do jornal, em pleno dia de eleição.E não esquecendo desta não passar de mais uma mentira enganosa para lubridiar os carniceiros contratados a espera de retorno sem concurso.É revoltante.Por isso voto na mudança, voto 15!

Anônimo disse...

Seria melhor não ter dito nada, cada argumento utilizado cabe aos dois grupos. Mudança? Então tá...

Anônimo disse...

Que vergonha, Fábio!